quarta-feira, 6 de junho de 2012

Ativistas do Femen prometem fazer protestos sem roupa no Brasil

Femen promete novos protestos sem roupa na Euro 2012 e no Brasil. Veja fotos
Movimento ucraniano que protesta contra o turismo sexual já chegou ao Brasil. Saiba quem são e veja fotos dos protestos que já fizeram

Manifestante do Femen protesta contra Euro 2012

Quem acompanha a Euro 2012 já deve ter se deparado com fotos de mulheres de biotipo eslavo com os seios de fora segurando cartazes com “Fuck Euro 2012” ou até tentando roubar a taça do torneio. O movimento feminista, chamado Femen, já chegou no Brasil e não pretende passar despercebido no país que em 4 anos sediará os dois eventos esportivos mais importantes do mundo.

Antes de falar sobre o Femen, é bom evitar uma associação comum: o movimento não é especificamente contra eventos esportivos. Criado na Ucrânia em 2008 pelas jovens Oksana Shachko, Anna Hutsol e Sasha Shevchenko, ele surgiu para lutar pelos direitos das estudantes, mas rapidamente voltou sua atenção para questões como a prostituição e o turismo sexual, problemas especialmente agudos no leste europeu.

Ativista do Femen protesta na embaixada ucraniana em Paris

E é exatamente por isso que protestam contra a Euro 2012, que será realizada na Ucrânia e na Polônia. Propagandeado como estímulo ao desenvolvimento dos países sede, o torneio também traria, segundo as integrantes do Femen, um aumento no turismo sexual, mas os governos locais estariam negligenciando o problema.

Em recente entrevista ao canal Sportv, Sasha Shevchenko fez duras críticas a Euro 2012 e lançou acusações contra o presidente da Uefa. "Isso não é festa de futebol, é uma festa de turismo sexual e prostituição. E o Michel Platini é conivente com isso. A infraestrutura da Ucrânia não está pronta, a sociedade ucraniana não está pronta para isso. O que está pronta é a indústria de prostituição" declarou.

As ucranianas começaram as manifestações contra a Euro em 2010, mas ainda não acabaram. Recentemente prometeram novas ações na cerimônia de abertura, que acontece sexta-feira na Polônia, e, em entrevista à rede Al Jazeera garantiram "Nós vamos estragar a Euro 2012".

O Brasil também sofre com o turismo sexual e deve ouvir falar - e ver – mais do Femen nos próximos meses. Ainda sem entrar em detalhes, o grupo promete realizar “ataques”, como são chamam seus protestos, no país que está a dois anos de receber a Copa do Mundo Fifa e a quatro de sediar os Jogos Olímpicos.

Femen Sara Winter (c) foi a primeira brasileira no movimento

Sara Winter (sobrenome fictício) é a primeira representante no Brasil. Natural de São Carlos, ela trabalhava como secretária quando viu uma notícia sobre o movimento, achou “o máximo” e foi pesquisar. Acabou entrando em contato com as fundadoras através do Facebook e percebeu que se identificava com os ideais defendido pelas ucranianas.

Desde então, passou a promover e coordenar as atividades do Femen Br, que hoje conta com cerca de 30 membros. Desses, Sara calcula que pouco mais da metade sejam homens – diferente do que acontece na Ucrânia onde a grande maioria é de mulheres. Aqui, apenas ela e mais duas mulheres tiram a roupa para protestar.

De viagem marcada para a Ucrânia, com ajuda de dinheiro doado pela sede do Femen, Sara é reticente sobre como serão os ataques no Brasil, mas garante que acontecerão ainda esse ano, depois que voltar de viagem. Apesar disso, deixa claro o alvo dos protestos. "O nosso problema não é a Copa em si, que gera coisas boas, turismo bom, mas os resultados ruins que também traz."

O Femen é um grupo feminista ucraniano que luta pelos direitos das mulheres. O que mais chama atenção é que elas sempre protestam com os seios expostos.

Fonte: IG

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que fazemos em vida ecoa na eternidade!!!