quarta-feira, 23 de maio de 2012

Mãe celebra morte do filho "foi para o inferno"

Empregada diz que mãe comemorou morte do filho em Duque de Caxias
Segundo doméstica, ela teria dito 'Ele foi para o inferno', após filho ser morto.
Mãe é suspeita de mandar matar o filho para administrar bens da família.

A empregada da idosa suspeita de mandar matar o próprio filho, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, para poder administrar os bens da família, afirmou que a mãe comemorou ao saber que os assassinos haviam concluído a execução, de acordo com o RJTV. Em depoimento à polícia, a doméstica Maria José da Silva contou que, na comemoração, a patroa, Maria Selma dos Santos, de 70 anos, chegou a dizer que o filho, José Fernandes dos Santos, tinha “ido para o inferno”. A mãe, a empregada e Isaac Paulo de Moraes, um dos suspeitos de executar o assassinato, estão presos temporariamente, por 30 dias, em Bangu, na Zona Oeste do Rio.

A família Dos Santos é bastante conhecida em Duque de Caxias. O avô de José Fernandes foi prefeito por duas vezes da cidade, e também exerceu um mandato à frente da Prefeitura de Rio Bonito, no interior do estado. A família também era dona de um cartório em Caxias. Hoje de manhã, os vizinhos de Maria Selma estavam chocados. “Que horror! Que coisa horrível”, comentou uma senhora. “Que mãe é essa? Nem o inferno a merece”, afirmou uma jovem.

Maria Selma foi presa, na terça-feira (22), acusada de encomendar a morte do próprio filho. Ela pagou R$ 20 mil para que um assassino cometesse o crime. De acordo com as investigações, ela queria administrar os bens da família, entre eles vários imóveis, que estavam nas mãos de José Fernandes, filho dela.

Testemunhas com mesmo advogado
A mulher, então, pediu que a empregada encontrasse alguém para matar o filho. Maria Jose´foi a única que confessou participação no assassinato. A polícia acusa Isaac de ter matado José Fernandes com quatro tiros, em 29 de novembro de 2011.

Os investigadores desconfiaram da idosa depois que várias testemunhas do caso prestaram depoimento acompanhados de um mesmo advogado. “Nós nunca tínhamos visto a mãe de uma vítima contratar advogado para acompanhar depoimento de testemunhas para o esclarecimento da morte do filho”, disse o delegado Márcio Esteves, da 59ª DP (Duque de Caxias), que está à frente do caso.

“No primeiro depoimento, acompanhado do advogado dela, Maria Selma disse que o filho era muito calado e que não tinha conhecimento das atividades do filho. Em nenhum momento ela demonstrou, ou levantou suspeita de ser a mandante do crime”, afirmou o delegado Márcio Esteves, titular da 59ª DP (Duque de Caxias). “A equipe de policiais, a princípio, não desconfiou de nada. Só no decorrer das investigações chegamos a essa conclusão”, complementou.

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que fazemos em vida ecoa na eternidade!!!